Ir para o conteúdo
ou

se gostarem avise os amigos se não gostarem avise seus inimigos

Pais: Brasil * Estado: São Paulo * Cidade: Suzano

Para adicionar a comunidade "PCdoB rumo ao futuro" clique em: http://blogoosfero.cc/pcdob-rumo-ao-futuro e clique em +Entrar

 Voltar a Blog
Tela cheia

Não leia: mulheres quanto mais tento explicar mais fica complicado.

19 de Junho de 2015, 17:20 , por Roberto Gieseke - 0sem comentários ainda | No one following this article yet.
Visualizado 134 vezes

Não leia: mulheres quanto mais tento explicar mais fica complicado.

Resgatar um direito de igualdade, tirado a mais de séculos.
Se existe uma sociedade justa, ela no mínimo, tem que ser 50% para homens e 50% para mulheres, nas câmaras e similares, inclusive nas urnas tem que ter duas votações um para o candidato e outro para a candidata, são votações diferentes. com visões que podem coincidir, mas com necessidades diferentes, que convergem em importância para todos. E no mundo todo tem que ser assim. o Brasil perde a oportunidade de ser uma referencia no avanço da sociedade. Portanto é fundamental que esta votação como está não passe no senado, mesmo que tenha que usar de artifícios, para voltar para a Câmara. Também é preciso uma ampla mobilização, divulgação, um referendo popular bem encaminhado entendo ser uma boa opção.
Em tempo, neste caso, não cabe, reparo ou enquadramento de gênero tipo LGBT, ou Raças tipo índios, negros etc..., ou mesmo classe econômica rico ou pobre, deficientes, idosos,ou jovens(ordem alfabética). Para isto existe fóruns e instituições de lutas próprios, que podem ate mesmo chegar, e enquadrar nos dois casos e ser eleitos via votação normal nos eixos principais, entendo que quotas para cada caso seria uma distorção, não seria um avanço.

Talvez o correto seria mudar para paridade entre homens e mulheres no legislativo
A questão de termos um parlamento de 50 % homens e 50% mulheres, não passa pela questão das quotas, me parece tão obvio e natural, entendo também que não significa, a paridade no congresso entre homens e mulheres seja um privilegio, muito pelo contrário é a igualdade mínima restaurada, e representativa da sociedade. No meu entender depois de empossados pela paridade, os eleitos pelo povo nos Congressos, Câmaras e similares tem procuração para exercer o mandato em total igualdade, ai sim independente de ser mulher ou homem.
Não quer dizer que as mulheres também não tenham seus fóruns e instituições para defender e reivindicar seus direitos como todos os outros segmentos da sociedade em geral, a questão das quotas se trata da necessidade de reparar e dar um direito a uma parcela marginalizada e excluída desde a escravidão até ao capitalismo imperialista atual, são pequenas conquistas da humanidade, necessárias.

Defendendo a paridade entre homens e mulheres.
A questão de termos um parlamento de 50 % homens e 50% mulheres, não passa pela questão das quotas, entendo também que não significa, a paridade no congresso entre homens e mulheres seja um privilegio, muito pelo contrário é a igualdade mínima restaurada, e representativa da sociedade. No meu entender depois de empossados pela paridade, os eleitos pelo povo nos Congressos, Câmaras e similares tem procuração para exercer o mandato em total igualdade, ai sim independente de ser mulher ou homem. Também não quer dizer com esta paridade você esta mudando o Sistema de Capitalista para Socialista por exemplo.

Acho que não estou conseguindo esclarecer, ultima tentativa.
Especificamente nas urnas para eleições de candidatos para as Câmaras, Senado, não devem ser concorrentes entre homens e mulheres, dai a necessidade de o eleitor ter que escolher dois candidatos simultaneamente um homem e uma mulher, isto não é difícil para o eleitor, em qualquer lugar do mundo. Não está limitando, ou privilegiando, mesmo que estatisticamente haja diferenças quantitativas entre homens e mulheres ( no Brasil Censo 2010 contou, 51% são mulheres e 49% são homens. ). Não é utopia, muito menos machismo, feminismo ou dogmatismo religioso. Também não deve ser imposto por toda a sociedade como regra geral, ou ainda mais diferenciando como clube do Bolinha ou clube da Luluzinha, isto seria discriminação, "apartheid", preconceito. Homens e mulheres tem, podem e devem discutir, competir, sem essa de coitadinhos e coitadinhas. Uma constatação cientifica lógica, distorcida ao longo do tempo, é o mesmo que mandar uma nave para o espaço para formar uma sociedade em outro planeta, só com homens, ou só com mulheres, ou mista mas, só o homem, ou só a mulher podem participar do comando e discussões, ficando a parte excluída só para reprodução e/ou tarefas..
Bem que avisei disse para não ler. Roberto Gieseke


0sem comentários ainda

    Enviar um comentário

    Os campos realçados são obrigatórios.

    Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.